Despedida a Flávio Henrique

Flávio Henrique foi um artista único. Como compositor, levou adiante a tradição da música mineira reconhecida em todo o mundo. Sua obra sintetizava correntes estéticas muito ricas, em termos de harmonia e melodia, além da sensibilidade muito fina para a poesia e a cultura popular. Fazia poesia com sons.

Suas canções, sempre construídas com muita delicadeza, sabiam ousar e manter a identificação com o público, o que é muito raro entre compositores populares. Era também muito admirado pelos músicos, tanto pela força criativa como pelo afeto que imprimia em todas as relações pessoais.

Não foi um acaso que tenha se dedicado a um grupo vocal, o Cobra Coral, para dar expressão ao seu talento criador. A voz de Flávio soava mais completa ao lado de parceiros de ideias e sentimentos.

Era um homem discreto, mas afetivo. Para quem tinha como missão espalhar canções, guardava a tocante capacidade de ouvir, sempre com atenção e respeito. Talento que levou para a política cultural, ao se ligar ao projeto de consolidar a comunicação pública em Minas Gerais, um desafio que enfrentava como tarefa coletiva.

A Empresa Mineira de Comunicação, por meio de seus amigos, colegas e colaboradores, herda seu compromisso com comunicação de qualidade, como bem público fundamental para a democracia. Que faça isso com a inspiração de uma arte superior, é uma dádiva deixada por Flávio Henrique.

Texto escrito pelo jornalista João Paulo Cunha.

Nota de falecimento de Flávio Henrique.

Deixe um comentário